Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/04/15 às 22h50 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Reunião avalia Casa da Mulher Brasileira

COMPARTILHAR

Experiência de Campo Grande é apresentada no DF

Janaína Michalski
Da Ascom Semidh

Brasília (22/4/2015) – A experiência da Casa da Mulher Brasileira (CMB) de Campo Grande (MS) foi apresentada nesta quarta-feira (22), em Brasília, durante reunião no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), que teve a presença de dirigentes da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Semidh). Inaugurada em fevereiro, a unidade atendeu, nos primeiros 60 dias de funcionamento, uma mulher por hora, em média. 

O relato foi feito pela secretária municipal de Campo Grande, Liz Derzi. Segundo ela, no mesmo período, 1.427 mulheres receberam mais de 4 mil atendimentos, uma média de três por pessoa, já que a Casa possui, além de delegacia policial para registro de ocorrência, assistência psicossocial e orientações sobre qualificação profissional, entre outros serviços. 

“Só na noite passada, tivemos sete flagrantes. E no último fim de semana, atendemos 78 mulheres. É muito, mas está sendo uma experiência apaixonante. Não tenho dúvida de que esse é um dos maiores projetos de direitos humanos do Brasil”, disse Liz. 

Campo Grande é a primeira cidade do País a ter uma unidade da Casa da Mulher Brasileira. Pelo projeto do governo federal, serão construídas, 27 Casas em todo o Brasil, uma em cada unidade da federação. A do Distrito Federal será a segunda a ser aberta.  

Acompanhada da coordenadora da CMB de Campo Grande, Eloisa Castro Berro, a secretária municipal falou sobre os desafios enfrentados nos primeiros meses. “O atendimento integrado e humanizado é, ao mesmo tempo, o maior trunfo e o maior desafio”, afirmou ela. 

“Integração é a palavra-chave, é o que tem dado certo porque todas as instituições não estão apenas dentro da Casa, elas abraçaram a causa. Não tem sido um mar de rosas, mas temos conseguido resolver todos os problemas que surgem”, reforçou a secretária. 

A secretária da Semidh, Marise Nogueira, a subsecretária-adjunta de Políticas para as Mulheres, Cleide Lemos, a coordenadora da Casa da Mulher Brasileira, Myllena Calazans, e o promotor Thiago Pierobom, do Núcleo Pró-Gênero, do MPDFT, acompanharam o relato e, depois, trocaram informações com as gestoras de Campo Grande. 

Das questões mais simples e operacionais às mais complexas, o debate abordou pontos-chave para o sucesso do trabalho, como construir indicadores sobre a violência contra a mulher; a transversalidade de gêneros; a diversidade do quadro de pessoal; a promoção da igualdade racial; a flexibilização de regras para bem atender casos singulares; e a importância de uma boa recepção. 

O que éA Casa da Mulher Brasileira é um dos projetos que integram o programa “Mulher, Viver sem Violência”, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). O programa é realizado em parceria com os estados e o DF. O governo federal constrói as unidades e os parceiros fazem a gestão. No DF, a Semidh é quem ficará responsável pelo gerenciamento da CMB. 

No local, serão oferecidos todos os serviços de atendimento a mulheres vítimas de violência – delegacia policial, promotoria de gênero, defensoria pública, vara de gênero, assistência psicossocial e até orientações sobre qualificação profissional.

Ascom Semidh
3961-1782