Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/09/13 às 14h22 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Encontro marcado com as artesãs da Estrutural

COMPARTILHAR

Selo Rede Mulher Artesã chega amanhã, 10, à cidade. Durante o Encontro de Economia Feminista e Solidária, será assinada a portaria conjunta que instituirá o Grupo de Trabalho responsável pela gestão e implementação do projeto

Em junho deste ano, a Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal, atendendo às solicitações da 3ª Conferência Distrital de Políticas para as Mulheres do DF e das artesãs brasilienses, iniciava o projeto Selo Rede Mulher, iniciativa integrada ao Plano Rede Mulher

“O objetivo do Selo Rede Mulher é promover o reconhecimento, a valorização e a autonomia das artesãs e trabalhadoras manuais do Distrito Federal”, explica Olgamir Amancia, secretária de Estado da Mulher, lembrando que os Encontros de Economia Feminista e Solidária configuram-se como a porta de acesso das mulheres aos benefícios do projeto.

No Encontro que acontece amanhã, 10, das 14h às 17h, no Centro de Economia Solidária Recicla Arte e Costura, na Cidade Estrutural, além das atividades destinadas às artesãs, será assinada a portaria conjunta que instituirá o Grupo de Trabalho responsável pela gestão e implementação do projeto.

Para o ato, além dos líderes das Secretarias envolvidas no projeto (Mulher, Micro e Pequena Empresa e Economia Solidária, Trabalho, Cultura e Turismo) e de representantes das demais instituições parceiras, estarão presentes parlamentares da Bancada Feminina da Câmara dos Deputados, convidadas para conhecerem o projeto e a atuação da Secretaria de Estado da Mulher junto às artesãs.

Desde a criação do projeto, foram realizadas sete edições que prestaram quase 1.500 atendimentos pelo conjunto das instituições parceiras da ação para as 316 artesãs participantes. Além disso, 40 grupos já se candidatam ao Selo Rede Mulher de Economia Solidária – iniciativa que irá beneficiar as trabalhadoras com oportunidades especiais de comercialização e qualificação produtiva, por exemplo.

Após o evento na Cidade Estrutural, a agenda de atividades segue com a realização de Encontros em São Sebastião (18/09) e na Candangolândia (28/09). Até o fim do ano, serão realizadas edições em Sobradinho, Brazlândia, Varjão, Gama, Paranoá e Plano Piloto.

Saiba mais – O projeto Selo Rede Mulher é um instrumento de articulação do Programa Rede Mulher Artesã sob a perspectiva do Comércio Justo e Solidário, cujo objetivo é certificar e empoderar 50 grupos com material publicitário, catálogo e inserção na rede de comércio justo e solidário no Distrito Federal.

Na prática, a economia feminista aponta para a necessidade de visibilização, reconhecimento e valorização do trabalho das mulheres, destacando os trabalhos artesanais e manuais, os quais são quase sempre produzidos no ambiente doméstico. Diante disso, o Selo Rede Mulher irá contribuir para estimular o empreendedorismo e o cooperativismo feminino; efetivar canais permanentes de divulgação e escoamento da produção artesanal, entre outros.

Parceiros – O projeto Selo Rede Mulher é uma realização das Secretarias da Mulher, do Trabalho, da Micro e Pequena Empresa e Economia Solidária, de Cultura e de Turismo; e das Administrações Regionais. Conta ainda com a parceria do Instituto Federal Brasília (IFB), BRB, Emater-DF, Rede de Bancos Comunitários do DF, Sebrae no DF, Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF), Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais (BPW), Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Rede de Economia Solidária e Feminista.

Perfil das artesãs e trabalhadoras manuais do DF – Segundo dados do Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro, coordenado no DF pela Secretaria de Trabalho, do total de pessoas cadastradas como artesãs, 87% são mulheres e, destas, 70% têm mais de 40 anos de idade.

Buscando conhecer melhor a realidade das artesãs, a SEM-DF realizou pesquisas junto às quase 300 mulheres atendidas pelo Programa Rede Mulher Artesã até o momento, verificando que 85% delas auferem renda mensal inferior a dois salários mínimos.

Para 67% delas, o artesanato configura-se como a principal fonte de renda; 64% são chefes de família e possuem, em média, duas (dois) filhas (os). No que diz respeito às ações governamentais para fortalecer o artesanato, “criar meios de escoar a produção” e “divulgar o artesanato no exterior” foram as principais solicitações, seguidas pela necessidade de “reconhecer o valor do artesanato”.

“Em atenção a essa realidade, a SEM-DF têm destacado, no âmbito do Plano Rede Mulher, os princípios e valores da economia feminista e solidária. Compreendendo os problemas oriundos da divisão sexual do trabalho, este conceito considera o trabalho de forma mais ampla, incluindo o mercado informal e o trabalho doméstico, ressaltando a necessidade de enfrentarmos a desigualdade de gênero”, finaliza a secretária Olgamir Amancia.

Serviço:

O que: Encontro de Economia Feminista e Solidária – Selo Rede Mulher Artesã

Data: 10 de setembro de 2013

Horário: Das 14h às 17h

Local: Centro de Economia Solidária Recicla Arte e Costura – Cidade Estrutural, Praça Central, Quadra 1