Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/10/17 às 16h25 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Meninas e mulheres ganham apoio acadêmico

COMPARTILHAR

O combate à violência acaba de ganhar um reforço com seis pesquisas acadêmicas  para a proteção e promoção dos direitos de meninas e mulheres no Distrito Federal. As pesquisas vão ser financiadas pelo Governo de Brasília, no valor de  R$ 455 mil, por meio do Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP).

A solenidade da assinatura do termo de outorga foi realizada, na manhã de hoje (6), na Casa da Mulher Brasileira (CMB). Assim que o recurso for liberado, os pesquisadores poderão começar a desenvolver os trabalhos. Os  vencedores do Edital 03/2017, da FAPDF, são os seguintes: José Geraldo (UnB); Claudia Mara Pedrosa (UnB); Ioneide de Oliveira Campos (UnB); Janara Kalline Leal Lopes de Sousa (UnB); Luciana da Silva Santos (UCB); Maria Raquel Gomes Maia Pires (UnB),

Na solenidade, a secretária adjunta de Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Márcia de Alencar, explicou que o Governo de Brasília está com uma política de enfrentamento descentralizada sendo exemplo nacional. E afirmou que “as pesquisas serão decisivas para o aprimoramento de políticas relacionadas à prevenção da violência contra meninas e mulheres, cisgêneros e transgêneros”.

O secretário do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh), Gutemberg Gomes,  disse que “o Governo de Brasília trabalha em rede, e o trabalho em rede é que dá resultados”.  Para o diretor da Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP), Wellington Almeida, a pesquisa nos fará pensar em novos produtos e desafios para o combate à violência contra as mulheres.

A Sedestmidh teve papel importante no projeto ao provocar a FAP para uma parceria e apresentar a proposta para realização do edital. Além disso, mobilizou a sociedade acadêmica, e a subsecretária de Política para as Mulheres, Raissa Rossiter, representando a Sededtmidh, participou da comissão de análise e seleção dos projetos que foram escolhidos de acordo com a àrea deficitária da Secretaria, para assim ajudar na conclusão de  quais as ações públicas necessárias para evitar a violência a mulher.

 Por: Camila Piacesi