Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/11/13 às 0h03 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

“No DF, as mulheres são tratadas como cidadãs”, diz secretária

COMPARTILHAR

Olgamir Amancia e ministra Eleonora Menicucci abrem 16 Dias de Ativismo no Ônibus da Mulher

piBrasília (25/11/2013) – “As mulheres no governo Agnelo são tratadas como cidadãs”, afirmou na manhã desta segunda-feira (25) a secretária Olgamir Amancia, durante visita de representantes da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR) ao Ônibus da Mulher, no núcleo rural de Pipiripau, em Planaltina, a 50 quilômetros do centro de Brasília.

A visita marcou a passagem do Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher e a abertura oficial dos 16 Dias de Ativismo Feminino, campanha mundial que visa a alertar as pessoas sobre a importância de se respeitar e valorizar a mulher (Leia abaixo).

A secretária lembrou que, além de ser responsável pela criação da Secretaria da Mulher, o governador vem dando todo o apoio às ações que tem o público feminino como principal beneficiário. Uma dessas iniciativas, destacou, é a Carreta da Mulher, que leva saúde para os locais mais distantes.

“Esta é uma das marcas desse governo, de ir até aonde o povo está, de levar até o local de moradia das pessoas os serviços do Estado”, reforçou a secretária, ao convidar as moradoras de Pipiripau, que assistiam à cerimônia no salão da escola local, a conhecerem o atendimento do Ônibus da Mulher. O veículo ficou o dia inteiro em frente à escola.

O Ônibus da Mulher oferece serviços de apoio jurídico, orientação psicológica e assistência social às mulheres vítimas de violência na área rural. Faz parte do programa “Mulher, Viver Sem Violência”, do Governo Federal. O atendimento é feito pelos servidores da Secretaria da Mulher.

Encontro com a ministra – Um pouco antes, na frente do Palácio do Buriti, de onde o Ônibus da Mulher partiu para Pipiripau, a secretária encontrou-se com a ministra chefe da SPM-PR, Eleonora Menicucci. As duas conversaram sobre o andamento do projeto. 

O DF é uma das 17 unidades da federação que já receberam da SPM as unidades móveis e onde os trabalhos estão mais avançados. Em pouco mais de um mês de funcionamento, o Ônibus da Mulher já fez mais de 300 atendimentos.

Em função de outros compromissos, a ministra Eleonora não pode fazer a viagem no Ônibus da Mulher até Pipiripau. Mas foi representada pelas demais secretárias da pasta, que se juntaram, no evento, a integrantes do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), da Defensoria Pública, da Delegacia da Mulher e de lideranças da comunidade, entre elas, mulheres do MST.

“Eu trago um abraço da ministra Eleonora Menicucci e da presidenta Dilma. No dia 13 de março, a presidenta deu a ordem de tolerância zero à violência contra as mulheres. E essa ordem o governador Agnelo Queiroz está nos ajudando a cumprir”, disse a secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Aparecida Gonçalves.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) promoveu no local, durante todo o dia, oficinas de artesanato com garrafas pet, biojoias, pintura em tecido. Servidores da SEM-DF organizaram roda de conversa sobre direitos das mulheres, autonomia, emancipação e Lei Maria da Penha. 

16 Dias – A campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher foi criada em 1991, por 23 mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres.

As participantes escolheram um período de significativas datas históricas, marcos de luta das mulheres, iniciando em 25 de novembro, Dia Internacional de Não Violência contra as Mulheres, e finalizando em 10 de dezembro, Dia Mundial dos Direitos Humanos.

Com isso, a campanha une a denúncia e a luta pela não violência contra as mulheres à defesa dos direitos humanos. Hoje, mais de 160 países engrossam essa mobilização, conclamando sociedade e governos a darem um basta à violação dos direitos femininos.

A campanha inclui ainda o 1 de dezembro, Dia Mundial contra a Aids (boa parte dos infectados é formada por mulheres) e o 6 de dezembro, Dia do Laço Branco, reservado para a mobilização dos homens em defesa dos direitos femininos.

Ascom SEM/DF
9272-9702 e 3961-1782