Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/03/13 às 20h44 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Olgamir Amancia profere palestra sobre gênero aplicado ao Direito

COMPARTILHAR

A Comissão da Mulher da Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF) realizou na última quarta-feira, 6, a palestra “Direito, Mulheres e Poder” com a presença da secretária da Mulher do Distrito Federal, Olgamir Amancia Ferreira, que ministrou uma palestra sobre o desenvolvimento de políticas públicas que permitem a superação da cultura machista, com a perspectiva da igualdade de gênero no âmbito do DF. A mestre em psicologia e integrante da Comissão, Nayara Teixeira Magalhães, também expôs suas experiências, relatando casos graves.

A mesa foi dirigida pela presidente da Comissão da Mulher, Alessandra de La Vega. Ainda estiveram presentes no evento o juiz Coordenador do Centro de Atendimento à Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, Ben-Hur Viza; a defensora pública do DF e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher, Dulcielle Almeida, a participante do Agrupa e do projeto das Promotoras Legais Populares, Lívia Gimenes; a professora da Universidade Católica de Brasília, Soraia Mendes; e a coordenadora do Núcleo de Prática Jurídica do UDF e pesquisadora em sistemas de justiça criminal, Izabela Jamar.

Olgamir Amancia explicou que, assim que assumiu a Secretaria, se deparou com uma realidade dramática. “Encontramos um conjunto grande de mulheres, durante as atividades da Carreta da Mulher, com mais de 60 anos de idade e que nunca fizeram um exame”, revelou. “Quando você pergunta o porquê nunca foi a um hospital, esta mulher diz que foi sim, para levar um filho, um neto ou um marido”, continua. Ela relatou ainda o trabalho que tem desenvolvido com a Secretaria de Educação por considerar a educação um dos pilares da sua atuação.

O primeiro grande desafio, segundo Olgamir, foi equalizar os conceitos da igualdade de gênero. A secretária fez uma retrospectiva da legislação brasileira que envolve a mulher, relatando pontos positivos e negativos. “Não aumentou a violência contra a mulher. A questão agora é outra. O tema do assassinato da mulher não era pautado pela sociedade. À medida que a sociedade começa a dizer que não é natural matar uma mulher, ao dizer que isto é uma relação de poder, o assunto passa a ser debatido e pautado pela imprensa”, finalizou.

Na palestra da integrante da Comissão da Mulher Nayara Magalhães, os pontos abordados foram a importância da compreensão do conceito de gênero, o acesso à Justiça de mulheres que sofrem violência e o quanto cada um contribui, inconscientemente, para a manutenção destas estruturas hierarquizadas.

“A verdadeira violência de gênero é a marcada por uma sociedade hierarquizada, desigual e que segrega em função de papéis previamente construídos”, ressaltou. Nayara relatou inúmeros anúncios publicados em homenagem ao dia da mulher e que reforçam a desigualdade de gênero ao elogiar características que aprisionam as mulheres aos antigos conceitos.

Com informações da ASCOM da OAB-DF