Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/07/19 às 11h50 - Atualizado em 15/04/20 às 17h37

Pesquisa inédita ajudará nas ações para saúde da mulher vítima de violência no Distrito Federal

COMPARTILHAR

 

Termo de Outorga e Aceitação (TOA) da pesquisa já está assinado

 

 

A secretária de Estado da Mulher, Ericka Filippelli, o presidente da FAP/DF, Alexandre Santos, a diretora executiva da Fundação Universidade Aberta do DF (Funab), Simone Benk, e a pesquisadora da Universidade de Brasília, Maria da Graça Luderitz Hoefel, assinaram hoje (01/07) o Termo de Outorga e Aceitação (TOA) da pesquisa que irá desenvolver ações em saúde da mulher para o atendimento de vítimas de violência no Distrito Federal.

 

Em recentes conversas a Secretaria da Mulher apresentou à diretoria da Fundação de Apoio à Pesquisa demandas e necessidades do DF no âmbito da atenção à saúde da mulher. O projeto “Mapeamento da atenção às mulheres em situação de violência doméstica e sexual no Distrito Federal”, coordenado pela pesquisadora da UnB e já contemplado pelo Edital 04/2017 de Demanda Espontânea, foi identificado pela equipe da FAP/DF como ideal para atender às demandas apresentadas equipe da secretaria.

 

Erika Filippelli comemorou a parceria e enfatizou a necessidade de implementação de políticas públicas com base em evidências. “Estamos muito felizes com essa parceria porque sabemos que uma política eficiente precisa ser construída com base em dados e pesquisas. Essa é uma grande oportunidade para estudarmos o que está acontecendo com a saúde das mulheres em situação de violência no DF e implementar políticas públicas eficientes. Temos trabalhado em várias áreas, como prevenção e proteção, mas com certeza precisamos também trabalhar nessa questão dos estudos para gerar bases e dados para capacitar nossos servidores e informar melhor a população”, afirmou a secretária da Mulher.

 

Para o presidente da FAPDF, a aplicação do projeto de forma interdisciplinar, em parceria com a Secretaria da Mulher, ratifica a importância da atuação acadêmica na resolução das grandes demandas da sociedade. “Essa interlocução surge em um momento em que o debate nacional exige essa aproximação. O fato é que precisamos demonstrar o quanto a universidade contribui para o enfrentamento dos grandes problemas do país e, aqui na FAPDF, nós esperamos que esse projeto seja o primeiro de vários em parceria com a Secretaria da Mulher, pois com iniciativas como essa estamos podendo exercitar cada vez mais essa aproximação entre governo, sociedade e universidade para o enfrentamento conjunto dos grandes e atuais problemas”, ressaltou Alexandre Santos.

 

A diretora executiva da Funab concorda e acredita na atuação integrada entre os diversos setores de governo e sociedade como forma de desenvolvimento e ampliação da efetividade das políticas públicas. “O DF tem feito uma leitura diferente do importante papel da universidade e acredito que está sendo um desbravador de algo novo justamente por estar enxergando esse potencial das universidades para o desenvolvimento. Nós precisamos integrar todos os setores do governo, sociedade, academia, setor produtivo para conseguir extrair maior potencial resolutivo das nossas informações e ações”, declarou Simone Benk.

 

A pesquisa – Enquadrada na linha de metodologia de avaliação de programas, projetos e ações de enfrentamento à violência contra meninas e mulheres, o projeto pretende propor Políticas Informadas por Evidências, por meio das Ferramentas Support, para promoção da atenção às mulheres em situações de violência doméstica e/ou sexual no Brasil. Para tanto, será gerada uma síntese de evidências e um resumo informativo, promovidos diálogos deliberativos com gestores públicos e realizadas oficinas de sensibilização e capacitação quanto ao uso da Ferramentas Support para membros da Rede para Políticas Informadas por Evidências (EVIPNet Brasi).

 

“O projeto busca fazer um mapeamento de todas as ações de atenção às mulheres vítimas de violência doméstica e sexual. Nós vamos buscar, por meio da metodologia Support, evidências de como esses problemas são tratados no mundo, a partir daí construímos uma proposta de ação voltada para a realidade do solicitante, no caso a Secretaria da Mulher, mostrando custos, benefícios, dificuldades de implantação. A partir daí, o gestor decide, baseado em evidências, como implementar a política de enfrentamento, capacita os recursos humanos e parte para a ação”, explicou a coordenadora do projeto de pesquisa, Maria da Graça Luderitz Hoefel.

 

A síntese de evidências indicará opções para lidar com a questão de violência doméstica e sexual contra mulheres, que já se configura como um problema de saúde pública no Brasil. A ideia é apresentar um levantamento das principais barreiras para implementação de ações de enfrentamento e desenvolver ações e soluções.

 

A pesquisadora declarou a alegria em poder contar não apenas com o fomento da FAPDF, mas em poder aplicar a pesquisa a uma demanda real e urgente da população do DF: “essa interlocução com a Fundação, a Funab e a Secretaria da Mulher é maravilhosa porque vai nos possibilitar trabalhar a partir de uma necessidade concreta do DF e, quem sabe, gerar desdobramentos para outras áreas”.

 

(Com informações da FAP/DF)