Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/09/12 às 12h57 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Primeira turma do programa Mulheres na Construção se forma em setembro

COMPARTILHAR

No próximo dia 26 de setembro, o programa Mulheres na Construção, iniciativa da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) – em parceria com a Secretaria da Mulher do Distrito Federal, com o Instituto Federal de Brasília (IFB) e com o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-DF) -, realizará a formatura de 172 mulheres. A solenidade acontecerá às 9h, no campus do IFB em Samambaia, na Boca da Mata. Esta é a primeira turma a concluir o curso, cujas aulas iniciaram em abril de 2012.

O Programa Mulheres na Construção é uma proposta para qualificação de pessoas, prioritariamente mulheres, e beneficiários de programas sociais de transferência de renda. Na primeira edição do programa, foram oferecidas cinco turmas, sendo três para pintora de obras e duas para azulejista, cada turma com 40 vagas.  No segundo semestre, já foram oferecidas mais 240 vagas. Todos os cursos são ministrados pelo IFB.

Para a secretária de Estado da Mulher, Olgamir Amancia Ferreira, a qualificação profissional é um dos caminhos para a emancipação e autonomia das mulheres. “No setor da construção civil, estes valores assumem uma concepção ainda maior, tendo em vista que este é um ramo novo para a maioria das cursistas e que será conquistado e desbravado por elas, no projeto Mulheres na Construção”, explica.

O diferencial deste curso é que vai além do ensinamento técnico. Ele oferta, também, noções de cidadania e direitos da mulher, direitos do trabalho, economia solidária e empreendedorismo, além de matemática e português aplicados, bem como conhecimentos relacionados à formação profissional de azulejista e pintora de obras.

A construção civil está em um momento de crescimento e com grande carência de mão de obra. As alunas que concluem os cursos com êxito serão encaminhadas para empresas associadas ao Sinduscon-DF e poderão ser contratadas por meio de contrato temporário e em caráter experimental. Caso contratadas, as alunas também poderão usufruir dos benefícios oferecidos pelo Serviço Social do Distrito Federal (Seconci-DF), que é o braço social da Construção Civil no DF. Quando efetivadas, todas as trabalhadoras terão direito a atendimento médico, odontológico, aulas de informática e alfabetização.

Mercado – Nos últimos três anos, o setor da construção civil cresceu, aproximadamente, 25% no DF, com um volume de negócios estimado em R$ 3,5 bilhões anuais. O setor emprega sozinho 68 mil trabalhadores no DF, de acordo com a última Pesquisa de Emprego e Desemprego do DF (PED-DF), sem contar os empregos indiretos. A participação das mulheres na construção civil cresceu mais de 8% nos últimos 18 meses. Em 2011, eram 221 mil trabalhadoras. Até julho de 2012, a fatia chegou a 239 mil mulheres.

De acordo com a PED-DF, a mão de obra feminina está visada, principalmente, para serviços de acabamento, como pintura e cerâmica. Entre as mulheres que possuem o ensino superior, 79,3% estão inseridas no mercado de trabalho. Em dez anos, a participação de mulheres com nível superior, atualmente no mercado de trabalho, passou de 18,1% para 24,1%.