Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/07/13 às 19h17 - Atualizado em 29/10/18 às 11h13

Professores de Brazlândia debatem questões de gênero em prol de uma educação não-sexista

COMPARTILHAR

Na última quinta-feira, 27, a Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal (SEM-DF) foi à cidade de Brazlândia para debater com professores da Regional de Ensino questões de gênero, as várias formas de violência contra a mulher, levar informações sobre a Lei Maria da Penha e o apoio às políticas públicas que beneficiam as mulheres do Distrito Federal. Assuntos como sexualidade, machismo e patriarcalismo também estiveram na pauta dos debates.

“Os mutirões funcionam como instrumentos de divulgação das políticas públicas e de apoio à mobilização comunitária. Realizamos a atividade com professores em todo o Distrito Federal para que eles possam passar para seus alunos essas informações, tendo em vista que, a partir deste ano, as escolas públicas e privadas são obrigadas a abordar a temática no conteúdo programático. Nesses encontros, procuramos dar a elas todas as informações para que elas percebam o verdadeiro papel delas na sociedade”, explicou a secretária da Mulher, Olgamir Amancia Ferreira.

Durante os encontros, a Secretaria da Mulher estabelece um debate com a comunidade escolar (há atividades com professores e alunos) para reforçar que a violência contra as mulheres não está limitada a uma cultura, uma região ou um país específico, nem a grupos de mulheres em particular dentro de uma sociedade. As raízes da violência contra as mulheres decorrem da discriminação persistente contra elas, advindas da cultura patriarcal e machista.

A professora Azelma Maria da Silva Valadares salienta que essa discussão deve permear todas as camadas da sociedade. Ela conta que a violência contra a mulher não atinge somente as classes mais pobres. “Temos amigas professoras que passam por esses tipos de violência. É uma coisa que a gente não as vê falando publicamente, mas a gente sabe que existe”, lembrou.

A busca por uma sociedade não-sexista ganhou ainda mais força em outubro do ano passado, quando foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), a Resolução Normativa nº 1/2012, do Conselho de Educação do Distrito Federal (CEDF), que reformula e atualiza as normas para o Sistema de Ensino do Distrito Federal. O documento inclui um capítulo que assegura como conteúdo obrigatório, nos ensinos fundamental e médio, os direitos da mulher e outros assuntos com recorte de gênero.

O professor Marcelo Lourenço Bitencourt observou o importante papel que a educação tem no processo de desconstrução da cultura machista. “Sabe-se que a cultura machista está impregnada em todos os pontos da sociedade. É uma cultura que atinge mulheres e homens e todos devemos debater esses temas. A reflexão é importante para se mudar atitudes”, avaliou.