Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/08/16 às 14h56 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Sedestmidh desmitifica preconceitos em torno do mundo LBT

COMPARTILHAR

O curso “Descontruindo Preconceitos” aconteceu nessa sexta-feira (19), no auditório da Estação do Metrô da 112 Sul. A palestra foi voltada para a capacitação interna das conselheiras do Conselho dos Direitos das Mulher (CDM) em relação as pautas sociais, com foco nas mulheres LBT.

A assessora especial da Coordenação de Promoção de Direitos da Diversidade da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Paula Benett, ministrou a primeira parte do curso, a introdutória. 

Ela explicou sobre o movimento, linguagem inclusiva, avanços e desafios, mundo Trans, nomenclaturas, Lei Maria da Penha e sua aplicabilidade na proteção de mulheres travestis e transexuais, também respondeu a dúvidas das conselheiras. A Sedestmidh apoiou o evento que foi realizado pela CDM.

“Desde já agradeço a todas pela participação, essa é a primeira de muitas que virão e teve o foco nas mulheres LBTs, no mês que vem teremos com tema voltado às mulheres com deficiência, e assim por diante”, afirmou Paula, que desde 1994 usa o nome social, o qual é utilizado por pessoas que não se sentem representadas pelo nome registrado ao nascer.

Em um segundo momento, Giza Vital e Ana Cláudia fizeram a apresentação sobre a luta das lésbicas, das feministas, e fizeram um resgate histórico até os dias de hoje. Explicaram sobre o que é estupro corretivo, feminicídio, entre outros assuntos de suma importância. O Conselho dos Direitos da Mulher do DF é paritário (governo e sociedade e civil) e comporta todas as nuances do universo feminino, assim como representantes de secretarias e entidades/ONG. O CDM coloca acima de qualquer coisa a luta pelos direitos das mulheres.

“E, quando eu digo MULHERES, eu não me refiro a sexo, e sim a gênero. O Conselho não reduz a mulher a uma genitália, a enxerga pelo GÊNERO. Me sinto extremamente feliz por fazer parte deste grupo tão especial. Vou dar um aviso aos lgbtfóbicos, racistas, misóginos, sexistas dentre outros grupos que nos envergonham cada vez mais. O CDM DF veio para ficar e vamos lutar contra qualquer forma de preconceito’, completou Benett.