Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/02/15 às 21h41 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Semidh apresenta metas de trabalho para 2015

COMPARTILHAR

Março será o mês dos direitos humanos

Brasília (03/02/2015) – A Secretaria da Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Semidh) tem várias ações previstas para os primeiros 120 dias de governo. O foco será em março, mês dos direitos humanos, quando serão comemorados o Dia Internacional da Mulher (8) e o Dia Internacional de Combate ao Racismo (21).

A informação foi dada pela secretária da Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Marise Nogueira, em entrevista ao jornal Correio Braziliense (clique aqui para ler entrevista na íntegra). Marise falou sobre as metas de trabalho para 2015, que, segundo ela, deverão ser cumpridas em parceria com outras pastas do governo, o Judiciário, o Ministério Público e entidades da sociedade civil.

Uma das metas é a ativação dos espaços de participação popular, como os conselhos vinculados à Secretaria: Conselho dos Direitos da Mulher, Conselho de Defesa dos Direitos dos Negros, Conselho Distrital de Promoção dos Direitos Humanos, Conselho dos Direitos dos Idosos e Conselho de Defesa de Direitos da Pessoa com Deficiência.

Com relação à estratégia de ação, a secretária explicou que vai desenvolver programas e projetos em duas linhas: promoção de direitos e enfrentamento à violência, esta última um problema social que será tratado em todos os segmentos – mulheres, negros, indígenas, idosos, LGBT e demais grupos em situação de vulnerabilidade.

A secretária fez questão de ressaltar a parceria com a Secretaria de Segurança Púbica e Paz Social, que prevê, entre outras coisas, a ativação de núcleos de atendimento diferenciado nas delegacias às vítimas de racismo.

“Trabalharemos junto aos efetivos policiais, instaurando uma cultura de respeito aos direitos humanos e desconstrução de preconceitos”, disse a secretária, para destacar, em seguida, outro ponto importante: a questão da educação para os direitos humanos.

“Especificamente no caso racial, temos leis que nos ajudam a definir que a temática da história da África seja introduzida no ambiente escolar, para um exercício de conscientização, desde os primeiros anos de vida, de que todos somos humanos e temos direitos”.

Ascom Semidh
3425-4779 e 3961-1782