Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/03/15 às 23h20 - Atualizado em 29/10/18 às 11h14

Unidade móvel atende mulheres em São Sebastião

COMPARTILHAR


Moradoras do Acampamento Tiradentes recebem orientações sobre Lei Maria da Penha e apoio psicossocial

Janaína Michalski
Repórter Ascom Semidh

Como parte das atividades do Março de Todas as Mulheres, a Unidade Móvel de Acolhimento à Mulher do Campo e do Cerrado esteve no sábado (14) no Acampamento Tiradentes, em São Sebastião.

A secretária de Políticas para Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Semidh), Marise Nogueira, acompanhou os trabalhos e conversou com representantes das 173 famílias acampadas, que receberam orientações jurídicas, psicológicas e assistenciais.

Além dos servidores da Semidh, a ação contou com o DF Trans, que prestou serviços de ouvidoria e primeira via do cadastro estudantil; o Centro de Referência de Atendimento Social (Cras), que deu orientações sobre o Bolsa Família; o programa Mala do Livro, da Secretaria de Cultura; e com workshops sobre alimentação saudável e violência doméstica.

“Viemos trazendo aquilo que temos para oferecer, querendo muito ouvir vocês, para procurar respostas. Respostas que são uma obrigação do cumprimento do dever do Estado. Estamos aqui, também, por causa do dia Internacional da Mulher, que foi 8 de março, que é uma data associada às mulheres que lutavam pelo direito de trabalhar”, ressaltou a secretária Marise.

Para Josefa Ataíde, coordenadora da associação de moradores, a presença de representantes do Estado na comunidade é bem-vinda porque, além do acesso aos serviços e à informação, traz a emoção, o sentimento de apoio, de acolhimento às mulheres, principalmente às vítimas de violência.

“Ser acampada é ser excluída. Em qualquer lugar que a gente chega e diz que é do acampamento, já nos olham diferente. Quando você vê que algum pedacinho do Estado te olhou com algum benefício até a autoestima fica elevada”, disse ela.

O que é – As unidades móveis de acolhimento à mulher do campo e do cerrado integram o projeto “Mulher, Viver sem violência”, uma parceria entre o governo federal e o GDF. A ideia é levar serviços do Estado, em especial os de orientação e combate à violência doméstica, às áreas rurais.

No interior dos ônibus (o DF tem dois), equipados com salas, computadores e impressoras, as mulheres recebem atendimento psicológico, orientações sobre seus direitos, especialmente a Lei Maria da Penha, e assistência social. Podem, inclusive, fazer denúncia de agressão, que serão depois encaminhadas à delegacia da região. Do lado de fora, são montados stands de vários outros órgãos do GDF, com atividades e serviços abertos ao público.

Ascom Semidh
3961-1782 e 3425-4779