Governo do Distrito Federal
31/10/22 às 15h39 - Atualizado em 31/10/22 às 15h41

Jornada Zero Violência termina com caminhada de conscientização no Gama

O programa encabeçado pela Secretaria da Mulher tem como missão apresentar os equipamentos públicos de enfrentamento à violência contra a o público feminino

 

A sexta edição do programa Jornada Zero Violência Contra Mulheres e Meninas chegou ao fim, na manhã desta quinta-feira (27), no Gama, com a caminhada de conscientização e panfletagem no comércio da cidade. Ao longo de quatro dias, a iniciativa promoveu na região administrativa bate-papos e capacitação de lideranças sobre o tema, além de apresentar, para a população, os equipamentos públicos de enfrentamento à violência.

 

A secretária da Mulher, Vandercy Camargos, e a administradora do Gama, Joseane Feitosa, passaram pelo comércio da cidade entregando panfletos com o número para denúncia (180) e os endereços de equipamentos públicos dedicados ao apoio às vítimas | Fotos: Divulgação/Secretaria da Mulher

 

“É sempre muito importante essa oportunidade de estarmos nas cidades. O nosso objetivo é levar a toda a sociedade a importância da mulher estar consciente de que tem equipamentos [públicos] em que ela pode se sentir segura para buscar extinguir esse ciclo de violência. Por isso é muito importante que a comunidade esteja informada”, explica a secretária da Mulher, Vandercy Camargos.

 

A região do Gama tem nove equipamentos públicos que dão assistência social e de saúde, acompanham autores e vítimas de violência, preservam os direitos das crianças e dos adolescentes e servem como pontos de denúncia e prevenção. “Os equipamentos estão motivados e prontos para receber, apoiar e encaminhar essa mulher que esteja em qualquer estado de violência”, afirma a secretária. Os locais foram visitados pela equipe do Jornada Zero na terça-feira (25) para reafirmar o papel de amparo às vítimas de violência.

 

Voluntários caminharam pelo Gama disseminando informação sobre o tema e convidando a comunidade a participar do combate à violência contra a mulher

 

Esses espaços são o Centro de Referência em Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Cepav Gardênia, 14ª Delegacia de Polícia, 20ª Delegacia de Polícia, Provid – 9º Batalhão da Polícia Militar, Núcleo de Atendimento à Família e aos Autores de Violência Doméstica (NAFAVD) e os Conselhos Tutelares I e II.

 

Além disso, o espaço da Administração Regional do Gama pode ser considerado o décimo local de apoio, por serviços para ajudar e capacitar as mulheres. Durante a jornada, a administração abrigou um bate-papo para homens e foi o ponto de partida das atividades.

 

Os homens também foram incluídos na Jornada Zero Violência com a realização de palestra sobre o tema

 

“Essas ações políticas de enfrentamento à violência são muito importantes. Esse programa vem conscientizar as mulheres a fazerem as denúncias e assim também dar autonomia às mulheres, fortalecendo os programas de capacitação”, comenta a administradora do Gama, Joseane Feitosa.

 

A Jornada Zero é um projeto da Secretaria da Mulher em parceria com o Fundo de Populações da ONU (Unfpa) e com apoio da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

 

Nas ruas

 

Tradicionalmente, o programa Jornada Zero conta com uma caminhada pelas cidades em que passa para disseminar informação sobre o tema e convidar a comunidade a participar do combate à violência contra a mulher, uma pauta de todos.

 

Na manhã desta quinta-feira, a secretária da Mulher, a administradora do Gama e voluntários estiveram no comércio entregando panfletos e colocando pôsteres informativos com o número do telefone para denúncia (180) e os endereços de cada equipamento público dedicado ao apoio às vítimas.

 

A vendedora Rosimeire Roque elogiou a iniciativa: “Aumenta a cada dia (o número de casos) e as mulheres não podem ficar caladas, têm que dizer não à violência” | Foto: Divulgação

A vendedora Rosimeire Roque da Silva, 49 anos, recebeu um dos panfletos ao lado da filha, a estudante Maria Vitória Roque Cassiano Dias, 10, e elogiou a iniciativa. “Aumenta a cada dia [o número de casos], e as mulheres não podem ficar caladas, têm que dizer não à violência. Em primeiro lugar, é importante esse amparo para as mulheres se tornarem corajosas para a sua defesa”, diz.

 

Mesmo ainda muito nova, Maria Vitória também consegue identificar a importância do projeto de divulgar os locais de assistência e denúncia: “Acho muito importante porque, se um dia eu precisar, já sei onde falar ou denunciar”.

 

A vendedora Janaina de Paula afirmou que o amparo é essencial para que as mulheres possam deixar a situação de violência: “Eu já passei por isso e não tive apoio de ninguém” | Foto: Divulgação

Quem também destacou a relevância da Jornada Zero foi a vendedora Janaina de Paula, 45. A mulher foi vítima de violência no passado e afirma que o amparo é essencial para que as mulheres possam deixar a situação. “Acho superimportante. Eu já passei por isso e não tive apoio de ninguém. Na época, não tinha muita informação. Todo o apoio que o governo puder dar para a mulher, porque ela fica sozinha e se sentindo culpada, acho supernecessário. É dever de todo cidadão ajudar as mulheres”, classifica.

 

Apoio dos homens

 

A iniciativa faz questão de incluir os homens no combate, seja com uma palestra focada neste público, seja com a abordagem durante a caminhada. O vendedor Flávio Martins, 39, foi um dos homens que recebeu o panfleto, e prometeu multiplicar a informação. “Achei uma campanha legal. Hoje em dia, as mulheres sofrem muita agressão física e psicológica e isso é algo que levam para vida toda”, comenta.

 

O vendedor Flávio Martins foi um dos homens que recebeu o panfleto e prometeu multiplicar a informação: “Se a gente não der educação para os nossos filhos, amanhã eles se tornam adultos violentos” | Foto: Divulgação

Ele também destaca que esse é um problema cultural no Brasil. “Quando se torna cultural, é mais difícil de lidar, precisa muito de informação e começa na educação dos nossos filhos”, diz. Martins conta que tenta quebrar esse paradigma em casa. “Se a gente não der educação para os nossos filhos, amanhã eles se tornam adultos violentos. Temos que estar sempre orientando e mostrando a forma de tratar a nossa esposa, porque somos espelho”, acrescenta.

 

O psicólogo Luis Henrique Aguiar foi responsável pela palestra que ocorreu na administração regional. “A proposta foi trazer o debate sobre a importância do engajamento de homens no enfrentamento à violência contra a mulher. Isso se dá pelo reconhecimento do problema”, destaca.

 

Além disso, o programa promoveu bate-papo com diretores e coordenadores da regional de ensino do Gama, conduzido pela assistente social Angélica Pereira de Souza e a servidora Rafaela Ximenes, da Casa da Mulher Brasileira.

 

Equipamentos públicos do Gama

 

Assistência social a famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade

→Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas): Área Especial 11/13, Setor Central. Telefone: 3773-7504. E-mail: creasgama@sedes.df.gov.br

→Centro de Referência em Assistência Social (Cras): Área Especial 11/13, Setor Central. Telefone: 3773-7395. E-mail: crasgama@sedes.df.gov.br

 

Assistência à saúde para violência sexual, familiar e doméstica

→Cepav Gardênia: Hospital Regional do Gama (HRC), Área Especial 1, Setor Central. Telefone: 2017-1808. E-mail: nupav.sul@gmail.com

 

Preservação dos direitos das crianças e adolescentes

→Conselho Tutelar do Gama I: EQ 12/13, Área Especial, Setor Oeste. Telefone: 2244-1564. E-mail: uaactgama_1@sejus.df.gov.br

→Conselho Tutelar do Gama II: Área Especial 5, Setor Sul. Telefone: 2244-1562. E-mail: uaactgama_2@sejus.df.gov.br

 

Acompanhamento de autores e vítimas de violência

→Núcleo de Atendimento à Família e aos Autores de Violência Doméstica (NAFAVD): Ed. da Promotoria de Justiça do Gama – Quadra 1, lotes 860/800, subsolo, Setor Industrial, Gama. Telefone: 3385-6944. E-mail: nafadv.gama@mulher.df.gov.br

 

Denúncia e prevenção

→14ª Delegacia de Polícia: Área Especial 1, Setor Central. Telefone: 3207-7291. E-mail: dp14_delegadochefe@pcdf.df.gov.br

→20ª Delegacia de Polícia: EQ 13/17, Área Especial 2, Setor Oeste. Telefone: 3207-7790.

→Provid – 9º Batalhão da Polícia Militar: Área Especial 2, Setor Sul. Telefone: 3190-0983. E-mail: pmdf.09bpm.provid@gmail.com

 

*Além de buscar ajuda em qualquer uma dessas instituições, as denúncias podem ser feitas via 180. A ligação é gratuita

 

Confira a galeria de fotos:

 

Jornada Zero Violência termina com caminhada de conscientização no Gama | 27.10.2022

Governo do Distrito Federal